O CAÇADOR DE BORBOLETAS
Sorridente, ao nascer do dia,
ele sai de casa com a sua rede.
Vai caçar borboletas, mas fica preso
à frescura do rio que lhe mata a sede
ou ao encanto das flores do prado.
Vê tanta beleza à sua volta que esquece a rede em qualquer lado
e antes de caçar já foi caçado.
À noite, regressa a casa cansado
e estranhamente feliz
porque a sua caixa está vazia,
mas diz sempre, suspirando:
Que grande caçada e que belo dia!
Antes de entrar, limpa as botas
num tapete de compridos pêlo
se sacode, distraído,
as muitas borboletas de mil cores
que lhe pousaram nos ombros,
nos cabelos.
ÁLVARO MAGALHÃES

1 comentários:

Cia Casulo disse...

OI STA BORBOLETA, QUE BOM TE ENCONTRAR POR AQUI...SOU CIA CASULO...GOSTARIA (SE POSSIVEL)QUE ME SEGUISSE, ASSIM COMO FAÇO CONTIGO AGORA, PARA TROCARMOS POESIAS, PAPO...HISTORIAS.
UM GRANDE ABRAÇO

Postar um comentário